Seja Bem-Vindo!

CONHEÇA A INCRÍVEL HISTÓRIA DOS FAMOSOS CARREGADORES DE CAIXÃO DA INTERNET



Emmanuel Agyeman trabalha em uma funerária de Acra, a capital de Gana, e também recebeu em seu celular algumas versões de um dos vídeos do momento.

Eles existem às centenas, sempre seguindo um mesmo esquema. Primeiro, aparecem imagens de alguém a ponto de se meter em problemas ― pode ser uma queda estrondosa, um susto, uma situação que certamente vai acabar mal… 

Mas, antes da desgraça acontecer, a sequência é interrompida e surgem homens de terno preto, dançando de maneira animada enquanto balançam um caixão que carregam sobre os ombros, ao som de música eletrônica.


A imagem final, em que vários homens dançam enquanto carregam um defunto, virou um meme internacional que serve para antecipar um erro ou descuido que não chega a ser visto: em seu lugar, aparece a dança do caixão. A cena foi gravada em Gana, no oeste da África, onde as funerárias como a de Agyeman organizam enterros desse tipo. 

"Estas festas são montadas quando a pessoa que morre teve uma vida longa, quando morre com 60 anos ou mais [a expectativa de vida em Gana é ligeiramente inferior a 63 anos]”, conta o agente funerário por telefone.

Os homens que aparecem no vídeo são pallbearers, expressão que poderia ser traduzida em português como “carregadores funerários”, que se dedicam a transportar caixões enquanto dançam. “Quando morre uma pessoa jovem é algo doloroso, mas se é alguém mais velho, prepara-se tudo isto para celebrar a vida”, conta Agyeman, da funerária EA Hearse Services & Funeral Agreement, que presta o serviço em todo o país. 

As imagens dos pallbearers ― que começaram a se popularizar no resto do mundo no final de março e deram origem a centenas de versões ― foram tiradas de duas reportagens jornalísticas. Uma foi gravada pela agência de notícias Associated Press, e a outra pela BBC, ambas em 2017.

Segundo o site Know Your Meme, especializado em rastrear a origem e evolução dos memes, as primeiras brincadeiras com o vídeo dos carregadores de caixão apareceram na rede social TikTok no final de fevereiro. 

A primeira de que se tem notícia foi publicada no dia 24 daquele mês pelo usuário @lawyer_ggmu. Este vídeo já utiliza como canção de fundo Astronomia, do artista de música eletrônica Tony Igy

que virou a trilha sonora oficial do meme, embora tenha pouco a ver com a música que toca de verdade nos funerais ganenses (a qual pode ser ouvida no link para a reportagem da BBC, acima). Durante as semanas seguintes à sua publicação, muitos tiktokers o imitaram e a brincadeira passou para o Twitter e grupos de WhatsApp.

A origem dos carregadores


Tanto na reportagem da BBC como na da Associated Press aparece um dos precursores desse ritual: Benjamin Aidoo, um ganense que entrou para a profissão em 2007 e introduziu uma espécie de versão 2.0 dos pallbearers.


Antes, eles só carregavam o caixão nos ombros, como se faz em muitos países ocidentais. A nova versão consiste não só em transportar o ataúde, mas também em acompanhá-lo com músicas mais alegres e de enfeitar os profissionais funerários com uma indumentária mais vistosa do que o habitual.

Por Elpaís e BBCNews
“No começo, os carregadores se vestiam de preto nos enterros. Eu, quando comecei, decidi acrescentar algumas variáveis, comprar ternos próprios, sapatos próprios… Além disso, tentamos sempre melhorar as coreografias e ensaiar novas maneiras de dançar”, conta Aidoo na reportagem da Associated Press.

Embora Aidoo reivindique para si algumas das novidades nesse ofício, é complicado estabelecer desde quando o serviço é oferecido. Uma reportagem de 1997 do jornal norte-americano The Washington Post já falava em “carregadores que cambaleavam debaixo de um ataúde feito sob medida” e que “sustentavam o caixão para alívio do mar de enfermos que se amontoam atrás deles". Entretanto, o fato é que aquele texto não menciona que a música ou a dança estivessem presentes no enterro descrito.
Um serviço com diferentes trajes e tarifas

Um serviço básico de carregadores como o que aparece nos vídeos virais pode rondar os 900 cedis (800 reais), informa Agyeman por telefone ao EL PAÍS. Entretanto, há diferentes fatores que podem fazer o preço variar. “Esse dinheiro, ao que é preciso somar outros gastos do funeral, inclui a contratação de umas oito pessoas: seis encarregados para transportar o caixão nos ombros, outro para liderá-los e um flautista. Se você quiser mais músicos, ou que façam um percurso mais longo com o caixão, de até duas horas, precisa pagar mais”, explica o homem.

“No primeiro dia depois da morte, costuma-se organizar um velório na casa da família. Tudo isto [o cortejo fúnebre] ocorre depois”, diz Agyeman. Neste país africano, onde um quarto da população vive na pobreza, há ganenses que gastam até 85.000 reais na realização de seus funerais.


Os tons que os carregadores ostentarão em suas roupas e a quantidade de gente convidada a presenciar o espetáculo durante o enterro também são fatores a levar em conta. Diz Agyeman que, na sua funerária, os pallbearers se vestem da mesma cor que a família escolher para o traje do falecido. Em geral é o preto para cerimônias mais solenes, ou branco ou vermelho quando se quer fazer uma grande festa. Também conta que, quando os parentes do morto consideram que não haverá gente suficiente no funeral, opta-se por contratar os serviços de figurantes, que são os que mais dançam, mais choram e mais pulam, segundo o momento da celebração e o desejo do cliente. Tudo vai acompanhado, além disso, de grandes banquetes.
O meme chegou a Gana

Durante a última semana, os memes com o vídeo dos carregadores também chegaram ao celular de Emmanuel Agyeman, e várias vezes. “É normal que as pessoas gostem, o que não entendo muito bem é como pode ter ficado tão famoso na Europa e quem editou isso para que pareça que é algo ruim. Aqui se celebra a morte.” Finaliza dizendo que em outros países da região, como Togo e Nigéria, também há rituais funerários com dança, música e muita diversão, que são capazes de se tornar um fenômeno e hipnotizar muita gente mundo afora.